Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ao encontro dos nossos oradores 0.2

documentado por encontrosdocumentais, em 11.02.15

Eu_DEGOIS (3).jpg

 

Aida Maria Dionísio Rechena é doutora em Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2011) com a tese “Sociomuseologia e Género: imagens da mulher em exposições de museus portugueses. É mestre em Museologia (ULHT – 2003) com a dissertação “Processos museológicos locais. Panorama museológico da Beira Interior Sul”. Especializada em Arqueologia (Universidade Autónoma de Lisboa – 1993) e licenciada em História (Universidade de Lisboa – FLL _ 1985).

É diretora do Museu Francisco Tavares Proença Júnior (desde 2005) e do Museu da Guarda (desde 2012).

A investigação insere-se nas áreas da museologia, sociomuseologia, género, comunicação inclusiva em museus, exposições museológicas com uma perspetiva de género.

É autora de artigos publicados em revistas especializadas de que se destacam:

“Museologia social e Género.” (2014). In: Cadernos do CEOM– Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina – Museologia Social; ano 27, n.º 41; pp. 153 – 174. UNOCHAPECÓ: Santa Catarina.

“Mulheres em museus de arqueologia ou a face oculta de Eva. (2014). In: ICOM.ES. Madrid.

“Teoria de las representaciones sociales y los visitantes de museos”. (2013). In: ISS – ICOFOM Study Series, 42: 183-195.

“Sociomuseología y Género: una experiência de comunicación inclusiva en el Museo de Francisco Tavares Proença Júnior”. (2012) In: ETNICEX - Revista de Estúdios Etnográficos, n.º 4: 91-102 Cáceres: APEA.

“Museologia (d)e Género”. (2012). In: Asesio, M; Pol, E; Asenjo, E;.; & Castro, E. (Eds). Nuevos Museos, nuevas sensibilidades. SIAM – Series de Investigación Iberoamaericana de Museologia. Año 3, vol. 4: Madrid: Universidade Autónoma de Madrid.

“Empowering women in museums: the process.” (2012) In: ISS - ICOFOM Study Series, n.º 41: 277-287 Tunis: ICOFOM.

Desenvolveu três projetos premiados pela APOM – Associação Portuguesa de Museologia.

 

Resumo da apresentação:

O Objeto Museológico como Documento

Todos os objetos musealizados têm um valor como documentos e é através deles que o museu reflete sobre a realidade.

No entanto é frequente no processo de musealização, ou seja no decurso da cadeia operatória que transforma um objeto (uma coisa) num bem musealizado (bem cultural),  perder-se essa noção de documento. O objeto passa a ser visto, analisado e apresentado referindo-se exclusivamente às suas características físicas e materiais (datação, matéria, dimensões, técnica).

Como fazer para não perdermos todo o potencial documental dos objetos musealizados é o objetivo desta apresentação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Depósito

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D