Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ao encontro dos nossos oradores - M02- Joaquim Ruivo e Pedro Redol

documentado por encontrosdocumentais, em 14.02.17

Titulo: Mosteiro da Batalha– gestão e interpretação

 

Resumo: O Mosteiro da Batalha, Panteão Régio da dinastia de Avis desde a 1ª metade do séc. XV, monumento nacional desde 1911, memorial do soldado desconhecido após 1921 – foi, desde a sua origem, lugar de memória identitária, pelo que nele se identificam não só valores artísticos e arquitetónicos singulares, que o tornam obra prima do gótico europeu, mas também valores simbólicos e míticos.

Desde 1983 – Património Mundial da Humanidade – o Mosteiro da Batalha é um dos mais visitados do país, com 80% de visitantes estrangeiros.

Na primeira parte da comunicação, identificam-se as principais linhas estratégicas do atual plano de gestão, subentendendo-se naturalmente esse exercício fundamental de conciliar dinâmicas locais com dinâmicas internacionais, num compromisso que é sempre de futuro.

Por outro lado, o Mosteiro e, por consequência, a vila da Batalha - que com ele surgiu e ganhou forma - foram objeto de drástica reconfiguração a partir do momento em que, após extinção da comunidade conventual, o edifício passou a ser encarado exclusivamente como monumento à glória dos Portugueses. A esta drástica transformação do edificado e da paisagem, estruturada ao longo de pouco mais de 120 anos, opõe-se uma história ancestral de 450 anos.

A segunda parte desta comunicação pretende identificar as motivações das transformações ocasionadas na paisagem e apresentar as soluções interpretativas de reconciliação memorial que têm sido encontradas e implementadas localmente.

                                                      

Notas Biográficas

Joaquim Ruivo

 

Joaquim Ruivo_diretor Mosteiro da batalha 3 (1).jpg

 

Nasceu em 1959, freguesia da Caranguejeira, Leiria.

É licenciado em História pela Universidade de Coimbra e professor efetivo na Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo – Leiria. Possui o Curso Pós-Graduado em “Dinâmicas Religiosas no mundo contemporâneo”, pela FCSH- UNL.

De 2006 a 2012 foi presidente do Centro do Património da Estremadura e, nessa qualidade, vogal da Associação de Desenvolvimento da Alta Estremadura.

Foi vice-presidente e presidente da Assembleia Geral da Amnistia Internacional – Portugal entre 2008 e 2012.

Exerce desde 2013 o cargo de diretor do Mosteiro da Batalha, serviço tutelado pela Direção-Geral do Património Cultural.

 

 Pedro Redol

Foto Pedro Redol (1).jpg

 

Pedro Redol é licenciado em História – Variante de História da Arte e mestre em Arte, Património e Restauro. Especializou-se no estudo e conservação de vitrais antigos, em Espanha, Inglaterra e Alemanha.

É técnico superior do Mosteiro da Batalha desde 1987, funções que interrompeu para exercer as de director do Convento de Cristo, em Tomar, durante 3 anos, e de director do Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra, durante outros 3 anos. É director do Mosteiro da Batalha, em regime de substituição, desde Novembro de 2011.

É igualmente professor auxiliar convidado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e presidente do Comité Português do Corpus Vitrearum.

Proferiu numerosas conferências em Portugal, Inglaterra, Bélgica, França e Itália. Publicou 26 artigos e 4 livros sobre história, conservação, restauro e gestão do património arquitectónico e museológico, com particular relevo para o vitral.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Depósito

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D